São João na minha terra! – Literatura de Cordel

Imagem de anarosadebastiani por Pixabay

São João na minha terra
é a festa mais completa
brinde a todos os sentidos
de sorrisos tão repleta
vou narrar nesse cordel
cumprindo assim meu papel
minha missão de poeta

Minha festa predileta
começando da comida
tem Pamonha, tem Canjica
a receita preferida
assado ou cozido então
o Milho é o anfitrião
a fartura é garantida

A Paçoca é conhecida
também tem o Mungunzá
famoso Pé-de-moleque
e o tal Bolo de Fubá
Pipoca pra criançada
tem Beju e tem Cocada
mais saborosa não há!

Ficar de fora não dá!
quando a Quadrilha começa
tem Casamento Matuto
que mais parece uma peça
diversão tão teatral
no terreiro do arraial
pra gente dançar à beça!

Se uma mocinha tropeça
vem um rapaz lhe ajudar
já lhe convida pra dança
já tem romance no ar
São João tá no comando
Santo Antônio vai chegando
se há casamento no altar

Mas se a chuva começar
São Pedro que tá brincando
santo da Chave do Céu
que traz chuva abençoando
e irrigando a colheita
no palhoção já se ajeita
a multidão se abrigando

-Vem que tá só garoando!
a moça chama faceira
a Quadrilha recomeça
pois foi chuva passageira
tem a Barraca do Beijo
com as luzes em lampejo
e o crepitar da fogueira

A farra se faz inteira
com boa música tocando
Forrózinho Pé-de-serra
e o povo vai xumbregando
o Trio que faz o Xote
Gonzagão que deu o mote
a gente lembra cantando

A Zabumba batucando
com grave sonoridade
o Triângulo é agudo
exigindo habilidade
no meio é sempre a Sanfona
e a voz tomando Carona
na sua tonalidade

Arrastapé de verdade
de fazer calo no dedo
uma chinela de Couro
pra deslizar sem segredo
se alguém puxar um Xaxado
aí o passo é dobrado
vem do Cangaço esse enredo

-Não vá ainda, que é cedo!
-Olha pro céu, meu amor!
fogos cintilando a noite
e enchendo os olhos de cor
o beijo doce, encarnado
é pra mais tarde, guardado
vai apurando o sabor

Lá vem o santo no andor
se a festa tem procissão
o profano e o sagrado
lado a lado, em união
tem bandeira pra saudar
oferenda pra louvar
sincretismo e tradição

Barulho de foguetão
tiros de Bacamarteiros
saia rodada e florida
chapéu para os Cavalheiros
vestimenta tão bonita
tem xadrez, também tem chita
e outros tecidos brejeiros

Os meninos mais arteiros
querendo soltar rojão!
estrela, traque de massa
pra enfeitar tem balão
fileiras de bandeirinhas
por todo canto há fitinhas
e a imagem de São João

Sanfona toca um Baião
depois tem Coco de Roda
tem o Correio Elegante
que nunca saiu de moda
e quando a fest se acaba
a saudade chega é braba
daquelas que deixam noda

A gente não se acomoda
co’as memórias, nostalgias
Zabumba ecoa no peito
lembrando das alegrias
pro povo do meu rincão
era bom se o São João
tivesse uns 90 dias!

Mari Bigio
Maio de 2021




Sobre Mariane Bigio

Poeta e Videasta. Eu faço versos como quem chora, ama, brinca, ri.... Eu faço versos como que vive.
Esse post foi publicado em CORDEL, Histórias Juninas e marcado , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s