A Magia da Quadrilha Junina – Literatura de Cordel

Quadrilha Junina – Xil de J. Borges

Quando penso em São João
lembro a Quadrilha Junina
arraial todo enfeitado
pra essa festa que é divina
a turma, que já ve pronta
a apresentação se monta
brincadeira genuína!

A dança típica nordestina
que lá na Europa nasceu
saiu do salões da corte
virou do povo plebeu
comandos em “matutês”
com resquícios do francês
pouco que permaneceu

Aqui se estabeleceu
do Sertão fez seu reduto
recebeu nova roupagem
e é sucesso absoluto
com personagens diversos
com rimas e muitos versos
e o Casamento Matuto

Tem o Noivo, sempre astuto
que correr, pra se livrar
fugindo do casamento
levado à força ao altar
a cena fica intrigante
pois sua Noiva gestante
o espera pra se casar

Já pronto pra celebrar
o Padre um tanto confuso
o Pai da Noiva, sisudo
e o Delegado obtuso
o Noivo não quer velório
e assim se faz o casório
e o caso encerra, concluso

Uma Dama, em parafuso
que é convidada da festa
desmaia na multidão
com sua mão sobre a testa
perdeu pra sempre o amado
o Noivo, agora casado
e chorar é o que lhe resta…

A celebração modesta
sai pro baile iniciar
cada Dama e Cavalheiro
vai procurando seu par
o Marcador vem puxando
e o povo vai se animando
pra começar a dançar

Tome sanfona a tocar!
zabumba na marcação
e o triangueiro arretado
dá-lhe com força na mão!
Os vestidos, bem rodados
saias cheias de babados
vão girando no salão

Eis que chega Lampião
homem corre, mulher grita
a festa que estava calma
no mesmo instante se agita
Soldado com Cangaceiro
dois “cabra macho, encrenqueiro”
e a multidão toda aflita

Só que Maria Bonita
quer curtir a festa em paz
Lampião faz concessão
o Soldado também faz
o Juiz entra no meio
a trégua é posta em sorteio
com a moeda de um rapaz…

Aquele acordo é capaz
de durar um só momento
mas todos voltam à dança
festejando o casamento
já vão se ajustando os pares
Marcador: – Aos seus lugares!
a Quadrilha em movimento

Dançar lhes traz um alento
quem não ama um Balancê ?
Marcador: – Alavantu !
e depois: – Anarriê !
Olha a chuva! Te molhou?
não se avexe: – Já passou!
lá vem Desfile e changê !

Se dou a mão pra você
a Grande Roda vem vindo
depois o Túnel se forma
como todo mundo aderindo
Olha a cobra, é mentira!
e a Rainha dança e gira
com seu brilho reluzindo

Sob o céu noturno e lindo
com as bênçãos do luar
o buquê jogado às Damas
e a festa por terminar
Os Noivos em despedida
vão viver a nova vida
que agora vai começar

Fogos explodem no ar
e a Bandeira de São João
a Quadrilha é aplaudida
já vai deixando o salão
em adeus, o Marcador
vai dizendo o seu louvor
com a mão no coração

A Quadrilha é emoção
mais que coreografia!
é humor, suor, trabalho
brincadeira e sincronia
é orgulho e devocão
é cultura, é tradição
Quadrilha é pura Magia!

por Mari Bigio,

Maio 2021

Sobre Mariane Bigio

Poeta e Videasta. Eu faço versos como quem chora, ama, brinca, ri.... Eu faço versos como que vive.
Esse post foi publicado em CORDEL, Histórias Juninas e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s