Arquivo da categoria: Poemeu – Verso livre

FreePorto nº11 #FreeMobile

A FreePorto, como o nome já anuncia – ou denuncia – é uma festa livre. Surgiu em 2009 para chacoalhar o cenário elitista das Festas Literárias, as Fli’s do Brasil. Em 2011, a FreePorto, concebida pelo grupo de escritores Pernambucanos … Continuar lendo

Publicado em Poemeu - Verso livre | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Da Palavra

Uma vez perguntei – tive a honra – pra Viviane Mosé : Por que que a gente fala tanto da palavra, da poesia em si e do ato de escrever? Por que tanto metapoema? Ela disse que é isso mesmo, poeta, escritor, … Continuar lendo

Publicado em Poemeu - Verso livre | Marcado com , | Deixe um comentário

Arte?

Uma aula sobre História da Arte – na disciplina de Arte na Contemporaneidade – me rendeu inspiração. Dois haikais e um poemeto. Sei nem se prestam, melhor postar antes de um possível arrependimento. Exercício 1 – Olhos sobre tê-la A … Continuar lendo

Publicado em Poemeu - Verso livre | Deixe um comentário

(minha) Tereza

reza Tereza reza Te reza te benze, te unge sê tu mesma a tua santa a tua freira a tua irmã reza e perdoa os teus pecados Tereza Teu Terço Tua Trindade mente, corpo, espírito santa Tereza reza

Publicado em Poemeu - Verso livre | Marcado com | Deixe um comentário

Domingo à mingua

fugazmente ferozmente a velocidade engole tudo full gas atropelo dos dias pelos dias pelas horas minutos segunda começa tudo de novo.  

Publicado em Poemeu - Verso livre | 1 Comentário

Da Saudade

A Saudade me faz escrever agora. Saudade com ésse maiúsculo, porque eu respeito esse sentimento dolorido, eu temo esse sentimento que tantas vezes parece maior que eu. Sem querer ser piegas, e já sendo, a lonjura entre eu e Diego … Continuar lendo

Publicado em Poemeu - Verso livre, Ser | Deixe um comentário

O que me despe… e me inspira.

Salve Carlos Pena Filho, que hoje me deixou vertiginosamente desmantelada. A SOLIDÃO E SUA PORTA A Francisco Brennand “Quando mais nada resistir que valha a pena de viver e a dor de amar E quando nada mais interessar, (nem o … Continuar lendo

Publicado em Do que me despe, Poemeu - Verso livre | Deixe um comentário

Corpo Urb

Poema que virou Vídeopoema. “Caminhando pelas ruas da cidade O Caos me perpassa o ventre Os meus cabelos são fios de alta tensão Conduzindo uma energia perfumada Que conecta-se às narinas-tomadas Que levam até o cérebro Que processa a imagem-flor … Continuar lendo

Publicado em Poemeu - Verso livre | Deixe um comentário

Enter title here – já que este poema não tem título.

  “O Antropofagismo Kani-Balístico é Vigente Vi gente devorando gente sob a luz do dia deglutição psíquica escancarada partes humanas mordiscadas nefasto hábito de seres que se julgam superiores Não Eles não vão me engolir O meu sangue é acre … Continuar lendo

Publicado em Poemeu - Verso livre | Deixe um comentário